O que há por aqui?

Histórias e Poemas para quem cansou de ler coisas normais, abordando assuntos nada usuais e também alguns comuns ocasionais. Amor, tristeza, amizade, sofrimento, histórias de ninar e suspense!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Soneto Da Culpa


Como água cristal que escorre pelo corpo
Lava a pele, a superfície do rosto
Esses paliativos apenas buscam enganar
Distraem-me, traem-me, não servem para apagar

E sem pouca ou qualquer escusa
Pois em mim arde a enervante culpa
Da causa, da razão que causou a dor
A escolha infeliz que fiz, que me dilacerou

Não volta, não retorna, o tempo é uma reta
A cada passo, a cada peça, do coração, que resta
Pulsa fraco, fingindo força que não tem

Superar, caminhar, é como dizia um velho cantor
Expulsar pensamentos é como tentar esvaziar
Apenas com as duas mãos toda a água do mar

Jack L. Carroll