O que há por aqui?

Histórias e Poemas para quem cansou de ler coisas normais, abordando assuntos nada usuais e também alguns comuns ocasionais. Amor, tristeza, amizade, sofrimento, histórias de ninar e suspense!

sábado, 3 de outubro de 2009

Ciclo da Poesia de um Poeta Criminoso

Um poeta como eu não pode

Ser feliz como deseja

Pois onde a inspiração esteja

Felicidade não permite rimar


Pássaro Negro que traz inspiração

Rouba nossa felicidade e alegria

Deixa-nos a maçã da imaginação

Tira-nos esperança e euforia


Quando surge a chama negra do amor

Ela queima nossos escritos

Mas o Pássaro Negro nos devolve a flor

Glamour negro dissipa as chamas da dor


O sorriso da Dama de Negro é o aviso

De que a hora da explosão se aproxima

Levar-nos de volta ao abismo é o risco

E com falsos felicidade e alívio perder nossa rima


Ventania de nervosismo crônico

Com desesperada chuva de tristeza

Moinho de vento com um girar cômico

Joga-nos na fonte sem correnteza


A mística mão é o convite da luz

Da Dama de Negro, a mão da guia

Com seu belo sorriso nos seduz

Ao caminho da despeitada fantasia


E à beira do Abismo da Ilusão

Esquecemos de quedas anteriores

E nos entregamos de volta às mãos

Que nos dão felicidade e nos tiram temores


Porém nesse abismo não há inspiração

E é dela que escritores bons vivem

O chamado do Pássaro Negro vem então

Esquecemos as ilusões antes que nos quebrem


A rosa ainda não está completamente negra

Maldito vermelho que não desaparece

O vermelho rouba nossa rima

E o negro é a realidade que engrandece


Criar asas e fugir desse estado vazio

Quente como um iglu gigante

Gritar por socorro não é de nosso feitio

Durante a viajem não há o que encante


Depois que o negro domina nossa alma

Somos salvos do abismo que engana

Pelo Pássaro Negro que nos acalma

E na Fonte das Realidades nos abandona


A fonte nos mostra como mascarar a realidade

Pois essa é a forma correta de escrever

Realidade criada por nós torna-se uma verdade

E nos mantém alimentados do real viver


Tal fonte, pudera, deveria ser destruída

Pois mesmo com as tristes ilusões e sofrimentos

Uma vida sem amor não pode ser mantida

Mesmo que com uma tempestade de tormentos


No fim, a queda nesse abismo de ilusões

O amor é uma magnífica aventura

Mesmo com as correntes e grilhões

É um mal para qual não há cura


E depois que fugimos dessa aventura

Encontramos mares de letras para enegrecer

Um lindo poema ou um breve comentário

Sobre como é maravilhoso viver despedaçado


2 comentários:

  1. O GOD!

    BLACK BIRD FLY!

    Um refinado toque do sombrio.

    ResponderExcluir
  2. Meu Bem, Lembrei-Me Tanto De Sua Primeira Carta (Estou Indo Relê-la)
    A Diferença É Que Agora Existe Uma Dama De Vermelho ^^

    Amo vc

    ResponderExcluir